Sexta de Aluguel – Winning Eleven 2002

Read Time:5 Minute, 26 Second

Ei, galerinha! Hoje vou aproveitar o hype da Eurocopa 2024 e da Copa América 2024 para falar de um dos melhores jogos de futebol já feitos. Antes de adentrar no jogo em si, hoje quem escreve aqui é o Markinhos. Não jogo tanto futebol quanto antes, mas minha infância e adolescência foram literalmente jogando jogos de futebol e praticando futebol. Para vocês terem noção, já dormi abraçado com uma bola de futebol. Passava o dia inteiro jogando futebol no videogame. Sou um amante do futebol até hoje. Minha vida toda foi jogando futebol até minha infeliz lesão no tornozelo, mas, mesmo assim, minha ligação com o futebol é muito grande. Hoje vamos falar de coisa boa, vamos falar de Winning Eleven 2002.

Winning Eleven 2002 foi bombástico devido à Copa do Mundo de 2002. O jogo World Soccer Winning Eleven 2002 foi desenvolvido pela KCET – Konami Computer Entertainment Tokyo e publicado em 25 de abril de 2002. Foi um sucesso estrondoso, especialmente para a galera que jogava futebol, pois era época de Copa do Mundo, e todos queriam jogar com sua seleção favorita, como a Inglaterra de Beckham e Owen, a Itália de Del Piero, a Alemanha de Ballack e Oliver Kahn, além de outras seleções fortíssimas como Argentina, Espanha e Holanda.

Graficamente, devemos voltar aos gloriosos anos do PlayStation 1 e nos lembrar de como achávamos que aquilo era a realidade, mas não era nem um pouco. O importante era a sensação de jogar futebol digital. Para mim, Markinhos, o auge da tecnologia da época foi assistir à apresentação do jogo com a música “We Will Rock You” do Queen. Até hoje, considero uma das aberturas mais icônicas de jogos já feitas, pois era impossível não se empolgar com ela.

Continuando, após a apresentação, aparecia uma sequência de menus de jogo, desde amistosos até disputas de copas, como a Copa Africana de Nações e a Copa do Mundo, além da Copa Konami, onde você poderia editar a competição com a quantidade de times que gostaria de utilizar. Essa época era maravilhosa para disputas em casa com os amigos, onde tudo era anotado no papel e havia a briga para ninguém utilizar a mesma seleção, pois o Winning Eleven 2002 foi feito com base na Copa do Mundo. Mas não só de Copas viviam os jogadores de Winning Eleven; a saudosa Master League também era um grande atrativo. Quem não se lembra da sensação de iniciar com um time da segunda divisão e escalar até o triunfo de ganhar todos os campeonatos, comprar os melhores jogadores e gravar seu time para desafiar algum amigo? A Master League era um campeonato de clubes, não de seleções, onde você começava com um time genérico, com jogadores como Ivarov no gol, Miranda como armador e Castolo como atacante. Com o tempo, você ganhava campeonatos e dinheiro para montar seu time.

Ao ganhar a Master League do Winning Eleven 2002, você habilitava os times da Master League para jogar no modo amistoso. Quando jogávamos o jogo em sua base, no canto superior esquerdo ficavam algumas caixas com pontos de interrogação, e ganhando a Master League, você habilitava os times.

A narração icônica de Jon Kabira, querido pelos fãs de longa data da franquia por seu estilo espalhafatoso de narração, empolgava ainda mais quem estava jogando. Bordões como o tradicional “Shuuto” e a empolgação do gol com o “Goru, Goru, Goru…” são memoráveis. Eu gosto até hoje da narração do Jon Kabira no Winning Eleven.

Para a sua época, Winning Eleven 2002 era bem fluido e rápido na jogabilidade. Tinha variações de câmera que permitiam focar em apenas um jogador ou ampliar até um certo ponto para enxergar mais jogadores e acertar as jogadas. E falando em jogadas, utilizar o Roberto Carlos no ataque era normal, certo?

Sobre os modos de jogo, falando dos campeonatos, ao ganhar a Copa do Mundo, subiam os nomes dos produtores do jogo em um “ending” com a icônica música “We Are the Champions” do Queen tocando ao fundo, junto com a foto dos jogadores do seu time ou seleção. Era impossível não se empolgar, principalmente para mim, que vivia o futebol quase 24 horas por dia. A música deixava claro que você fez algo épico, que você foi literalmente o campeão.

Em casa ou até em campeonatos com os amigos, utilizávamos mais as seleções. Meu estilo de jogo era muito chato, eu tocava a bola muito, mas muito mesmo, para conseguir fazer o gol. Minha formação favorita sempre foi o 4-4-2, com dois volantes à frente da defesa e dois armadores para municiar o ataque. Meu maior rival nos jogos de futebol é o meu pai. Quase todos os dias fazíamos jogos e nos empolgávamos demais, a ponto de reclamar com o juiz e comemorar uma defesa do goleiro. Meu pai sempre foi muito ofensivo, usando a formação 4-3-3, com um volante à frente dos zagueiros, dois armadores, dois pontas muito abertos e um centroavante no ataque. Resumindo, qualquer erro, o Senhor Marcos finalizava o jogo. Os jogos eram muito “pegados”, cada um era uma final. Eu não queria perder para o meu pai, e ele também não queria perder para mim. Por isso éramos rivais nos jogos de futebol, e já chegamos a fazer final de campeonato com amigos, onde ele se sagrou campeão. Meu pai jogava e ainda joga jogos de futebol, e ele é um ótimo jogador.

Aqui em Itapevi, com meus amigos, fizemos muitos campeonatos no PlayStation 1 com o Winning Eleven 2002. Até na minha família, chegou a ter um campeonato em uma festa de fim de ano, onde juntamos alguns amigos e a família, e foi aquela gritaria, loucura total. Nesse campeonato de fim de ano, consegui me sagrar campeão com minha seleção nigeriana, que era muito forte, com Tijani Babangida e N. Kanu no ataque. Lembrando que nas Olimpíadas de 1996, o mesmo Kanu que jogou a Copa de 2002 fez o quarto gol que desclassificou a seleção brasileira na derrota por 4 a 3.

Ser um amante do futebol me fez ser um dos mais aficionados em jogos de futebol por muito tempo, tanto que não percebia o tempo passar. Hoje em dia, jogo bem pouco, mas no meu coração os jogos de futebol ainda são uma forma de distrair e curtir o momento. Além disso, hoje reconheço que não sou tão bom jogando futebol no videogame.

E você, jogou bastante Winning Eleven? Conte nos comentários!

Happy
Happy
100 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous post gamescom latam: As primeiras impressões do Zeenix da Tectoy.
Next post Elden Ring: Shadows of the erdtree! Kung Fu, uma nova visão do mundo de elden ring e muitas… MUITAS MORTES!